Nosso

Blog

Volvo prepara série especial em comemoração aos 25 anos da linha FH

Modelo consagrado da marca sueca já se aproxima da marca de 1 milhão de unidades comercializadas em todo o mundo

 

Com objetivo de celebrar os 25 anos da consagrada linha de caminhões FH, a Volvo relevou recentemente através das redes sociais uma nova série especial. Imagens divulgadas nesta semana, mostram pouquíssimos detalhes, como por exemplo, duas opções de cores, bordô (vermelho escuro) ou prata, com plaquetas de identificação que trazem a inscrição “25 years edition”.Ler Mais

Conheça a ferramenta que garante economia e renda extra a caminhoneiros

Conheça o aplicativo que aproxima embarcadores e transportadores através de mais de 20 mil ofertas mensais de fretes

Economia, redução de custos, redução da ociosidade, lucro e renda extra, são fatores fundamentais no transporte rodoviário de cargas, seja ele realizado por grandes transportadoras ou caminhoneiros autônomos.

Para se alcançar estes fatores a presença da tecnologia tem sido fundamental no cotidiano das operações de transporte de cargas, especialmente nas negociações entre embarcadores e transportadores.

Cientes da importância e das facilidades proporcionadas pela tecnologia, caminhoneiros autônomos passaram a adotar os smartphones como um das principais ferramentas no dia a dia da profissão de motorista. Fato este confirmado por uma pesquisa recente da Confederação Nacional do Transporte (CNT) que revelou um crescente uso da internet e de celulares/smartphones no transporte rodoviário de cargas. Segundo o levantamento, cerca de 65,9% dos caminhoneiros já usam a internet diariamente.

Diante das novas necessidades que sugiram após o crescente emprego da tecnologia nas operações de transporte de cargas, nasceu o aplicativo Brasil Fretes, um sistema rápido, amigável e eficiente que facilita diariamente as negociações entre embarcadores de carga e transportadores.

Com mais de 100 mil downloads, o aplicativo Brasil Fretes se destaca pela versatilidade de acesso, uma vez que permite ao usuário optar pelo uso na web, por aplicativos para Android e iOS e também via webapp, agora o caminhoneiro tem o aplicativo no navegador do celular.

O elevado número de fretes divulgados mensalmente proporciona ainda ao caminhoneiro autônomo uma oportunidade de renda extra, uma vez que se reduz as chances do caminhão rodar vazio e se oferece uma ampla variedade de cargas de retorno de acordo com a localização e tipo de carroceria do veículo.

Outro grande diferencial da plataforma é a possibilidade de negociação entre embarcadores, transportadores e caminhoneiros autônomos. Enquanto uma empresa insere uma demanda, um transportador insere uma oferta de frete e manifesta interesse na carga. A negociação é aberta para os usuários por meio de chat, agilizando a negociação e gerando ganhos em cada oportunidade de negócio. Otimizando assim o processo de contratação de fretes tanto para embarcadores quanto para transportadoras.

A plataforma que já conta com mais de 68 mil downloads não têm custos para o usuário (Download e uso gratuito). A plataforma é sustentada com parcerias comerciais, que possibilitam aos usuários desfrutar do serviço de forma gratuita.

Ficou interessado nos benefícios proporcionados pelo Brasil Fretes? Então acesse agora mesmo, faça o download, cadastra-se e encontre o frete mais próximo a você! Confira: CLIQUE AQUI

Brasil Fretes: Um negócio baseado na experiência
No comando do Brasil Fretes está Francisco Lavor, um dos maiores empreendedores do agronegócios no país, fundador de diversas empresas como a Corretora União e a CBC Agronegócios.

De acordo com o empresário, a tecnologia surgiu das necessidades de logística identificadas na longa experiência da União Corretora no agronegócio, sendo pensada para o embarcador, transportador, caminhoneiro e cliente final.

Eixo erguido de caminhão vazio é isento de pedágio

Caminhões vazios têm por hábito trafegar com ao menos um eixo levantado, para evitar o desgaste dos pneus e reduzir os gastos com pedágio, já que a cobrança é feita por eixo. Mesmo assim, diversas estradas ainda mantinham a cobrança, que agora foi suspensa, de fato, em todo o país. As concessionárias, no entanto, ainda aguardam definições sobre seus contratos com os Estados.

A Lei Federal nº 13.103/15, chamada de Lei dos Caminhoneiros, diz que esses veículos, quando vazios, não pagam pedágio sobre eixos suspensos ou erguidos. Mesmo assim, a cobrança foi mantida em algumas rodovias estaduais, como é o caso de São Paulo e Mato Grosso. Acabar com essa cobrança era uma das demandas dos caminhoneiros durante a greve.

Com a Medida Provisória nº 833, publicada agora em 27 de maio, o governo federal acrescentou na lei que a isenção vale “em todo o território nacional”. A regra começou a vigorar no mesmo dia.

Em SP, a suspensão da cobrança começou em 1º de junho. São Paulo tem 8,3 mil quilômetros de vias no Programa de Concessões Rodoviárias e todas as praças suspenderam a cobrança. Em Mato Grosso, a MT-130 é a única rodovia estadual com cobrança de pedágio. Na BR-163, que corta o estado, a cobrança foi suspensa em 2015.

A Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) informou que as concessionárias já passaram a aplicar os direcionamentos da Medida Provisória 833. No momento os estados aguardam a definição de como será feita a reposição da isenção dos eixos erguido.

Segundo a ABCR, os poderes concedentes, ou seja, os órgãos estaduais de gestão das rodovias, analisam as especificidades de cada contrato, como fluxo de caminhões, tempo de concessão, programa de investimentos, etc.

O reequilíbrio das concessionárias se dará ou pela extensão do contrato ou aumento da tarifa. Em 2015, a Agencia Nacional de Transporte Terrestre optou pelo reajuste de tarifas para todos os usuários, que variou conforme o contrato.

Apenas São Paulo já definiu como será realizado o reequilíbrio econômico-financeiro dos contratos.

Projeto Canal Verde

O Maranhão foi o primeiro Estado da Federação a participar do Projeto Canal Verde. O projeto, que prevê a instalação de chips em caminhões com o propósito de identificação dos veículos e das mercadorias transportadas, já se encontra em atividade no Estado.

A medida representa redução substancial de tempo e recursos financeiros no transporte de mercadorias, o que significará redução do custo final do produto. Segundo o secretário de Estado da Fazenda, Marcellus Ribeiro Alves, a adesão das transportadoras ao projeto Canal Verde vai reduzir o tempo e o custo que elas têm com o transporte. “Os valores para a implantação do sistema são baixos (cerca de 7 dólares por caminhão) o que possibilita o acesso de todos os contribuintes à nova tecnologia”.

Com o objetivo de dar prosseguimento ao projeto, a Secretaria da Fazenda publicou a Portaria nº 293/17, determinando aos contribuintes que exercem a atividade de Transportadora de Cargas, realizarem o credenciamento na condição de Fiel Depositária.

De acordo com a Portaria, as transportadoras se comprometem em assumir a responsabilidade pelo imposto e acréscimos legais relativos às operações e prestações com crédito tributário reclamado em Termo de Verificação de Irregularidade e Infração Fiscal (TVI/IF) ou por meio de documento de arrecadação estadual (DARE).

O credenciamento somente será concedido, mantido ou renovado, a partir de 01 de outubro de 2017, às transportadoras que tiverem aderido ao Canal Verde Brasil Id.

Para mais informações sobre os procedimentos para credenciamento, acesse: https://sistemas1.sefaz.ma.gov.br/portalsefaz/files?codigo=10863

 

Fonte: www.ma.gov.br

Caminhões antigos precisam ser adaptados para nova resolução da amarração de cargas

Em vigor desde o início do ano, a resolução 552/15 do Contran ainda gera dúvida entre os caminhoneiros. Essa resolução fixa os requisitos mínimos de segurança para o transporte de cargas em veículos de carga, tratando principalmente dos tipos permitidos para fixação das cargas nas carrocerias.
Com a nova resolução, os caminhões antigos passam a ser obrigado a se adequarem, oferecendo pontos de fixação metálicos, não sendo permitido amarrar a carga em travessas de madeira, ou mesmo nos ganchos das pontas das travessas. Por isso os caminhões precisam ser adequados à nova legislação, recebendo adaptações para correta fixação da carga.
Outro ponto importante é a proibição do uso de cordas para fixação da carga. A partir de agora, todas as cargas devem ser fixadas com cintas têxteis, cabos de aço ou correntes, dependendo do tipo de carga. As cordas são permitidas apenas para fixação da lona do veículo.
Já para cargas indivisíveis e outras que tenham legislação própria quanto ao transporte, a Resolução 552/15 não se aplicam. Para transporte de cargas que tenham largura menor que a carroceria, a amarração deve ser feita por dentro da carroceria, em pontos de fixação metálicos presos no chassi do caminhão.
A resolução na íntegra pode ser lida aqui.
Fonte: Portal NTC
Fenemê, Jacaré ou Muriçoca: qual o maior caminhão clássico das estradas brasileiras?

Conheça a história dos caminhões que marcaram a história do Brasil.

Ao viajar por estradas brasileiras nos últimos 50 anos, certamente já cruzou (ou ficou atrás) de algum destes caminhões, que marcaram a história da indústria nacional.

Vejamos esses caminhões cheios de história.

FNM D-11.000

Além de ser o primeiro caminhão nacional, o “Fenemê” da Fábrica Nacional de Motores foi um dos desbravadores do Brasil, seja nas estradas de terra ou nas recém-pavimentadas, durante as décadas de 1950 e 60.

 

 

Lançado com a Alfa Romeo, o D-11.000 era bem parecido com o anterior (D-9.500), só que com mais potência (150 cv) e capacidade de carga. Nada mal para uma estatal que nasceu no meio da 2ª Guerra para fazer motores de avião.

 

L 111 (Jacaré)

Fabricado no Brasil entre 1976 e 1981, o “Jacaré” teve quase 10 mil unidades vendidas e ainda é encontrado pelas estradas brasileiras, principalmente na cor laranja. Ficou famoso por sua durabilidade e fácil manutenção, com custos baixos.

Em três versões com capacidade para tracionar até 45 toneladas, ele era equipado sempre com motor de 203 cavalos de potência, que levava a uma velocidade máxima de 94 km/h.

Mercedes-Benz L-1111

Junto com seu sucessor o L-1113, o “Muriçoca” é a família de caminhões mais vendida da história, com 240 mil unidades, entre 1964 e 1988. A fabricante estima que 180 mil ainda estejam em circulação.

O motor é um 6 cilindros em linha de 5.1 litros, com 121 cv e torque de pouco mais de 30 kgfm. A cabine tinha suspensão por feixe de molas – um dos poucos confortos da época para os caminhoneiros.

Volvo N10

Esse “bicudinho”, apelido dado aos modelos com frente pronunciada, foi o primeiro caminhão nacional da marca sueca e começou a ser feito no início da década de 1980, com motor de 6 cilindros em linha e 260 cv.

O N10 foi um dos primeiros a testar a tecnologia flex e também a utilizar a composição que ficou conhecida como “treminhão”, com dois reboques.

 Fonte: G1 globo.com
Como aumentar a vida útil dos pneus

Como aumentar a vida útil dos pneus

Os pneus durante seu tempo de uso absorvem choques e irregularidades do asfalto, sendo as únicas peças do caminhão  a ter contato direto com o pavimento e o que o torna importantes para a boa dirigibilidade. De acordo com  o instrutor do SEST SENAT Roberto Menezes Júnior, manter o cuidado adequado com os pneus é fundamental para os transportadores. “Infelizmente, muita gente foca em questões técnicas, mas o comportamento também é importante para a preservação dos pneus e do veículo como um todo”.
Roberto Menezes Júnior relata  que condutas adequadas e seguras na direção ajudam a aumentar a vida útil dos pneus e reduzir o consumo de combustível, além, é claro, de aumentar a segurança. “O pneu é a segunda maior despesa do transportador, depois do combustível. Imagina um rodotrem, que tem rodas gêmeas: antecipar a substituição dos pneus significa uma despesa de R$ 1.500 a R$ 2.000.”
Fique atento aos cinco principais pontos que merecem atenção dos transportadores e dos gestores de frota.

1 – A Calibragem

Uma lição básica é  a cabragem dos  pneus em períodos regulares, conforme a determinação do fabricante.
 Avaliar a calibragem diariamente é importante pois, dependendo da carga acondicionada no caminhão, o pneu pode perder pressão precocemente. Além, de ajudar a evitar o consumo excessivo de diesel, que ocorre quando o pneu começa a ficar vazio.
Atenção! Tem quem diga que, para pegar a estrada, é interessante calibrar mais do que o recomendado. Mas isso é ruim, porque torna o pneu mais sensível a alguns impactos, e ele acaba deformando. Calibrar além do recomendado também não pode!

2 – O Rodízio dos pneus, balanceamento e geometria

Conforme a orientação do fabricante o rodízio deve ser feito em períodos regulares. “Devido ao pior estado de conservação das rodovias brasileiras, também pode ser bom antecipar o rodízio, mas nunca se deve deixar passar o período recomendado pelo fabricante”, afirma Júnior. De acordo com o instrutor, isso é importante para que haja desgaste regular de todos eles e, consequentemente, para garantir mais segurança.
ATENÇÃO! O balanceamento e a geometria também devem ser feitos com regularidade.

3 –  Frenagem suave

O comportamento do motorista  pode evitar  o desgaste e o risco de tombamento da carga. “Isso está diretamente relacionado ao comportamento do motorista, que deve pensar preventivamente e antecipar as condutas para não gerar travamento das rodas”. Isso também vale para a partida: motorista que, quando arranca, canta pneus também causa danos.

4 – Não exceder a carga

O caminhão deve trabalhar com o peso máximo permitido para o veículo e para a via. O excesso de carga outro fator prejudicial  para os pneus e para o caminhão. Por isso, é importante ter cuidado, também, para não sobrecarregar os eixos, porque gera desgaste irregular.

5 – Recapagem

 Com a recapagem, é possível que o pneu do caminhão continue sendo utilizado para rodar. Mas, na hora de contratar esse serviço, Júnior destaca: busque empresas credenciadas pelo Inmetro para garantir mais segurança. “Essas empresas trabalham conforme as recomendações do fabricante, a legislação e as normas técnicas brasileiras”, destaca.
Atenção! Quando a banda de rodagem está desgastada, é hora de tomar providências.

Compartilhe esse artigo com seus amigos do trecho!

 

Dicas de uso da plataforma Brasil Fretes

A Brasil Fretes é a única plataforma que permite a você transportador aparecer e divulgar seus serviços de logística para quem precisa transportar. Quando você insere uma rota, está apresentando para toda a base de embarcadores as cidades, regiões e tipos de veículos que você possui e atende. Com isso você vai conseguir mais cargas, será informado diretamente das cargas disponíveis no trecho e para o seu tipo de veículo.

Ler Mais

Conheça a ferramenta

A Brasil Fretes oferece para você uma ferramenta fácil de manusear, com recursos inteligentes e praticidade para gerenciar suas negociações e carregamentos.

Ao inserir uma carga, são notificadas apenas as transportadoras e/ou caminhoneiros autônomos que estejam dentro do perfil definido para realizar esse frete, com base em localização, tipo de veículo e características das cargas. Quer conhecer melhor os recursos para Embarcadores, clique aqui.

Ler Mais

Avanço da colheita ainda pode elevar os preços do Frete

 

Com o avanço da colheita da soja no Brasil, mesmo que de forma mais lenta na de temporada 2015/16, os produtores começam agora a colocar em prática suas estratégias de logística para que a entrega de seu produto seja efetivada. E a variação dos preços dos fretes é acompanhada dia a dia, principalmente porque a oleaginosa disputa a oferta do serviço com outros itens que seguem sendo direcionados para os portos.

A dinâmica da movimentação da produção agrícola brasileira mudou a partir de 2012, quando a segunda safra de milho passou a ser maior do que a primeira, como epxlica o economista e pesquisador da Esalq/LOG, Samuel da Silva Neto. E a divisão clara que existia antes, com a soja sendo escoada no primeiro semestre e o açúcar no segundo, acabou comprometida.Ler Mais

Documentação básica necessária para o transporte rodoviário de cargas

O meio de transporte mais utilizado, dominante na grande maioria das operações é o transporte rodoviário, com carros, ônibus e caminhões. No setor de cargas, segundo a ANTT, existem no Brasil cerca de 130 mil transportadoras, utilizando-se de mais de 1,6 milhão de veículos diversos e empregam mais de 5 milhões de pessoas, correspondendo a um impacto de aproximadamente 6% do PIB nacional.

Toda essa atividade é regulamentada pelo governo em diversos níveis e, por isso, a documentação de cada carga transportada é obrigatória.Ler Mais

COMO CONSEGUIR FRETES PARA A MINHA TRANSPORTADORA?

A internet revolucionou a forma como as pessoas interagem ao redor do mundo, tanto em relações pessoais quanto profissionais e entre consumidores e marcas. A facilidade de acesso à informação proporcionada por essa revolução tornou o consumidor mais informado e, consequentemente, mais exigente e com expectativas maiores. Com isso, os modelos antigos de comunicação e vendas unilaterais não são mais eficazes, é preciso se atualizar constantemente e investir em serviços diferenciados para trazer sucesso ao seu negócio.Ler Mais